Mudanças na categoria Empregos e Serviços

 ALERTA, Anchova Diário, Categorias, Editorial, Informação, Mudanças, Novidades  Comments Off on Mudanças na categoria Empregos e Serviços
Aug 212013
 

Fizemos grandes alterações na categoria Empregos e Serviços. Já alteramos alguns anúncios para as novas sub-categorias certas, mas alguns ainda estão fora do lugar (nas sub-categorias antigas). Por favor verifiquem as novas subs e atualizem seus anúncios se necessário.

Empregos e Serviços
Beleza (Serviços de salão de beleza, cabelo, maquiagem, estética, etc)
Consertos e Reparos (Consertos e reparos de máquinas, equipamentos, etc)
Construção (Serviços em construção, pedreiros, pintores, carpinteiros, etc)
Contabilidade (Imposto de Renda, etc)
Crédito e Financiamentos (Financiamentos, cartas de crédito, empréstimos)
Currículos (Currículos de profissionais procurando emprego)
Cursos (Ensino Profissional)
Enfermeiros e Babás (Serviços em enfermagem, babás, cuidadores de idosos, etc)
Engenharia e Arquitetura (Serviços em engenharia e arquitetura)
Escolares e Acadêmicos (Digitação de trabalhos escolares e acadêmicos)
Faxina e Diarista (Serviços em limpeza)
Festas e Eventos (Prestação de Serviços para Festas e Eventos e Divulgação de Festas e Eventos)
Fretes e Transporte (Mudanças, táxi, motoristas, aluguel de ônibus, vans, etc)
Jurídico e Empresarial (Serviços jurídicos, empresariais, consultorias, assessorias, etc)
Lavanderia (Serviços em lavanderia)
Ofertas de emprego (Vagas abertas em empresas)
Outros (Outros tipos de serviços ou assuntos relacionados a empregos)
Publicidade (Oferecimento de veiculação publicitária, etc)
Saúde e Fitness (Academias, personal trainer, pilates, quiropraxia, fisioterapia, ginástica, massagens, etc)
Segurança (Serviços em segurança particular, empresarial, etc)
Seja revendedor (Para quem quer ser ou oferece vaga para revendedor de produtos)
TV por assinatura (Serviços de TV por assinatura)

“Especulação Imobiliária”

 ALERTA, Anchova Diário, Descontração, Editorial, Informação  Comments Off on “Especulação Imobiliária”
Aug 082013
 

Temos lido muito sobre especulação imobiliária em Rio Grande e achamos certo falar um pouco a respeito do assunto. Infelizmente o termo é utilizado de forma incorreta. Especulação imobiliária nada mais é que possuir, por exemplo, um terreno ou imóvel em uma área desvalorizada e não investir nele até que a infra-estrutura do local melhore ou a cidade cresça para este local, caso afastado, e investimento em infra aconteçam naturalmente, valorizando junto o terreno/imóvel.

Existe sim certa especulação imobiliária em Rio Grande, em áreas afastadas que agora receberão grandes condomínios fechados, etc. O aumento de preços que acontece nos bairros da cidade, como Centro, Cidade Nova, Cassino, e outros nos arredores, NÃO se trata de especulação imobiliária. Existe sim certa especulação nesses locais, quando alguém comprou um imóvel e esperou os preços subirem para vendê-los ou alugá-los. A especulação, neste caso, ajuda os preços a subirem, mas não são os únicos responsáveis.

Desculpem-nos os envolvidos, mas a especulação imobiliária em sua forma clássica, esperando por investimentos na infra-estrutura para valorizar suas terras, só vai acontecer em Rio Grande através de corrupção: eu tenho terras e conheço alguém no poder que pode investir no local para que minhas terras valorizem. Claro que ele vai levar algum… Se o poder público não investe onde já existe gente, quem dirá onde não existe.

O motivo? Aumento de preços de imóveis – tanto para compra/venda quanto para aluguel – segue o princípio básico da economia: oferta e demanda. Para que se entenda o básico dos básicos da economia, é preciso entender oferta e demanda.

Imagine esta situação: eu tenho uma galinha que põe um ovo por dia e eu vendo cada ovo por R$ 0,25 e tenho apenas um comprador, o preço vai continuar sendo R$ 0,25. Se um outro comprador surgir, eu deveria investir em mais uma galinha, para que possa vender dois ovos por dia pelos mesmos R$ 0,25 cada um. Mas o que acontece se não existem galinhas disponíveis? Começa uma espécie de leilão natural do mercado. Se não existem outros produtores de ovos com ovos suficientes para vender para meus clientes, eu subo os preços, pois eles não terão de quem comprar. Eles primeiro tentarão comprar de outros produtores, mas não conseguirão pois estes também não tem ovos para oferecer. Então vou subindo os preços enquanto os clientes estão dispostos a pagar e meus concorrentes também o farão, pois eles estariam vendendo o mesmo produto por menos dinheiro, sendo que o mercado está disposto a pagar mais. Só que então, os compradores de ovos terão que de alguma forma repassar este aumento de preços ou terão prejuízo. Então alguns deles, que utilizam os ovos para fazer bolos e vender, subirão o preço dos bolos. Os consumidores de bolos que tem o próprio negócio, subirão os preços de seus produtos/serviços para que possam continuar pagando belos bolos que não param de subir, acompanhando o aumento do preço dos ovos. E as pessoas que consomem/utilizam tais produtos/serviços subirão seus preços ou precisarão de salários maiores e assim por diante.

O que acontece no mercado imobiliário de Rio Grande é o mesmo princípio da inflação: temos um número XX de imóveis disponíveis e XXXXXXXXX de procura, então os que possuem os imóveis começam o “leilão”, subindo os preços para ver até onde aqueles que procuram estão dispostos a pagar. Há ainda um agravante nesta situação específica: aqueles procurando são grandes empresas e estas estão sempre dispostos a pagar mais, já que o investimento “se paga”. Isso acaba gerando um problema para o cidadão comum: os preços ficam tão altos que eles não conseguem pagar.

Na verdade a construção de novos empreendimentos imobiliários pode melhorar a situação, pois haverá mais oferta e há uma chance de estabilizar a oferta-demanda fazendo com que os preços comecem a cair.

Tal fenômeno explica os outros aumentos de preços: primeiro, as pessoas precisam gerar mais dinheiro para pagar estas contas altíssimas; segundo, aqueles que possuem os imóveis estão ganhando mais, então o poder de compra deles aumenta, mais dinheiro é inserido no mercado, aumentando a demanda, e como a oferta continua a mesma, os preços sobem. Por exemplo: o mercado de Rio Grande, antes do Pólo Naval, consumia XX das XXXX TVs novas disponíveis no mercado por mês. Agora, tem poder aquisitivo para consumir XXXXXXXX, mas a oferta não acompanhou o crescimento da demanda em tempo ábil, e existem apenas XXXXXX disponíveis, XX a menos do necessário. Então as lojas que possuem o produto, começam a aumentar seu preço e ver quem está disposto a pagar.

O maior problema deste fenômeno, conhecido como inflação, é que ele não se sustena e em algum momento ele quebra. Os preços sobem, sobem, sobem até um patamar que se torna insustentável e começa a despencar mais rápido que a escalada, quebrando muita gente/empresa. Por exemplo: quem comprar uma casa AGORA, com os preços tão altos, pensando que é um investimento e que vai vender por 3 vezes mais em 5 anos, pode acabar tendo que vender por 3 vezes menos em 2 anos. Todo cuidado ao investir em um momento como este, é pouco. E não apenas em Rio Grande, mas no resto do Brasil também.

E não se enganem: os números de inflação que vemos todos os dias são mascarados e mentirosos. O poder aquisitivo da população está diminuíndo e o que aumenta é a dívida. Sim, o brasileiro está comprando mais, mas ele não tem dinheiro para pagar. E este sistema de crédito também vai quebrar, mas melhor ficar por aqui pois é outra história.

Tudo isso é uma explicação muito simples sobre a coisa toda. Se você tiver interesse em saber sobre o assunto existem várias leituras interessantes. Nossa dica é o livro “Crash – Uma breve história da economia”, de Alexandre Versignassi. Ele escreve com uma linguagem bastante simples para que os leigos no assunto possam entender. Mas não é preciso comprar o livro, você pode seguir o blog que Alexandre escreve para a Super Interessante. Links no final deste post.

Por isso por favor apenas informe-se um pouco antes de discutir o assunto. Hoje tivemos alguém reclamando que a “especulação imobiliária no Anchova é um absurdo”. Ora, nem o que acontece no Anchova é especulação imobiliária, nem a culpa dos altos preços dos imóveis é do Anchova, e sim do mercado.

Referências:
Bolha Imobiliária – O que é especulação imobiliária: http://www.bolhaimobiliaria.com/2013/03/25/o-que-e-especulacao-imobiliaria-portal-urbanidades/
Memórias do Chico – Rio Grande: o que eu vi: http://memoriasdochico.com/2013/08/05/rio-grande-o-que-eu-vi/
IAB – A lógica da especulação imobiliária: http://www.iab.org.br/artigos/logica-da-especulacao-imobiliaria

Links úteis:
Livraria Cultura – Crash – uma breve história da economia: http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem=22636237&sid=35314616315717824889545411
Super Interessante – Blog Alexandre Versignassi: http://super.abril.com.br/blogs/crash/
Exame – 6 livros divertidos e fáceis de entender sobre economia: http://exame.abril.com.br/economia/noticias/6-livros-divertidos-e-faceis-de-entender-sobre-economia
Blog – Memórias do Chico: http://memoriasdochico.com/
Blog – Gotas de Ácido: http://gotasdeacido.blogspot.com.au/